Governo corta R$ 1,2 bi em pensões indevidas. Fim do “Bolsa Dondoca” ?

Luíz Müller Blog

Dondoca150415

Do Portal  i29

O governo federal pagou nos últimos quatro anos pensões indevidas a “filhas solteiras” de servidores que eram, na prática, casadas ou até do sexo masculino.

Bancou também benefícios para “filhos” de funcionários públicos nascidos mais de um ano após a morte dos pais. E houve quem recebesse auxílio-creche sem ter, nos registros oficiais, nenhuma criança em casa.

Os exemplos constam de uma extensa lista de irregularidades detectadas pela CGU na folha de pagamentos da administração direta, de autarquias e fundações. Por ano, ela consome R$ 129 bilhões para remunerar 1,2 milhão de trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas.

Na relação também estão servidores que conseguiram reajustes superiores a 200% num período de três anos; além de outros que extrapolam o teto do funcionalismo público. Há ainda inúmeros outros casos que desafiam o tempo e a lógica. Por exemplo, “filho” ganhando pensão de pai mais jovem.

As conclusões foram…

Ver o post original 353 mais palavras

Anúncios

3 Comments

  1. A Maitê recebe pensão ESTADUAL (SP). E sinto dizer que ela recorreu e ganhou porque a legislação declara que ela, a filha solteira, não pode ter registrado em sua certidão de nascimento que ela é ou foi casada. E como não foi casada “no papel” o direito é adquirido… Vale lembrar que essa legislação mudou em 1992 e foi elaborada nos anos 50 ou 60, em que a mulher era considerada incapaz para se manter, fosse viúva ou SOLTEIRA.
    Não defendo a Maitê, não gosto dela como pessoa e nem como atriz, mas é preciso esclarecer que, legalmente, ela está certa. Antigamente, as mulheres eram consideradas incapazes pela sociedade patriarcal e machista: mulher era para ser “cuidada e amparada”. Com as transformações sociais e evolução do feminismo, a mulher passou a trabalhar fora de casa e a ter autonomia. No entanto, em pleno sec. XXI, a remuneração da mulher é INFERIOR a do homem.

    Curtir

    Responder

    1. A Maitê é apenas um exemplo de uma legislação anacrônica que não se aplica ao conjunto dos trabalhadores e servidores públicos. Acho que à luz da dita legislação a situação dela é legal, Esse benefício é que se revela insustentável frente à realidade da previdência.

      Curtir

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s